terça-feira, 5 de julho de 2011

Polícia Federal identifica falso médico que atendia no Hospital Regional de Caruaru

Um operação realizada pela Polícia Federal em parceria com o Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe) na noite dessa segunda-feira (4) chegou até o nome de Leonardo de Moura Cintra, de 36 anos, acusado de se passar por médico no Hospital Regional do Agreste (HRA), em Caruaru, a principal emergência pública  da região.
As suspeitas sobre a formação profissional de Cintra surgiram após o Departamento de Recursos Humanos do Regional em Caruaru solicitar documentos ao falso médico para atualização do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES), sistema de informações do Ministério da Saúde.
Em nota oficial, o Cremepe informou que o nome de Leonardo de Moura - que usava o número de registro no Cremepe de uma médica cardiologista que atua no Recife - constava na escala de plantonistas do HRA e também trabalhava no hospital Prontolinda, em Olinda, na Região Metropolitana do Recife.
''Além de fraudar o CRM e outros documentos, ele não gerou suspeitas por parte dos colegas de profissão. Ele possuía habilidades como cirurgião e, nesse período em que atuou pelo Regional do Agreste, não foram registrados erros médicos ou cirurgias que resultassem em óbitos ou sequelas para os pacientes'', explica o diretor-geral do hospital, José Bezerra.
Ainda de acordo com as equipes do Cremepe e da PF, apesar de não ter concluído o curso de medicina, Leonardo atuava no Estado desde 2001 como cirurgião-geral. Um inquérito será aberto na delegacia da PF de Caruaru.
Várias cópias de documentos foram apreendidas no HRA, como ficha funcional, ordens bancárias de pagamento de salário emitidos pela secretaria da Fazenda (Sefaz), fichas de frequência funcional e um prontuário de paciente operado por ele. Até o momento, a polícia não localizou o acusado.
Este é o segundo caso de exercício ilegal identificado em apenas quatro dias por uma ação conjunta Cremepe/PF. Na última sexta-feira (1º), uma mulher foi presa em flagrante em Caetés, no Agreste, usando o registro do Cremepe de outra pessoa e sem diploma médico reconhecido pelo Ministério da Educação.