domingo, 17 de julho de 2011

Compesa paralisa sistemas Pirapama e Jucazinho a partir desta segunda

A Compesa vai precisar paralisar os sistemas Pirapama, que abastece o Grande Recife, e o Jucazinho, situado em Surubim, no Agreste pernambucano. As intervenções acontecerão a partir das 8h desta segunda-feira (18).

PIRAPAMA
O Sistema Pirapama será paralisado por 17 dias, a partir das 8h da segunda-feira. A intervenção será necessária para que sejam feitas as obras da terceira etapa do Sistema. Serão realizados vários serviços na estação de tratamento de água (ETA), localizada no Cabo de Santo Agostinho.

Os bairros do Grande Recife que já são atendidos por Pirapama voltarão temporariamente ao regime de racionamento, ou seja, continuarão recebendo água pelos sistemas Gurjaú, Tapacurá e Alto do Céu.

A paralisação vai durar até as 12h do dia 04 de agosto, após a finalização de todos os serviços. Atualmente, mais de meio milhão de pessoas da Região Metropolitana recebem água sem racionamento graças a Pirapama, que hoje oferta 2,5 mil litros de água por segundo.
A terceira etapa do sistema está prevista para o mês de setembro. O investimento em Pirapama é de aproximadamente R$ 600 milhões.

Mais informações sobre a paralisação do sistema e o calendário de abastecimento para as localidades atendidas por Pirapama podem ser obtidas pelo teleatendimento da Compesa, pelo número 0800 081 0195.

JUCAZINHO
Já o Sistema Jucazinho ficará parado por 48 horas, a partir das 8h da segunda-feira e prosseguirá até as 8h da quarta-feira (20). A intervenção será necessária para que a companhia execute uma série de serviços de manutenção. Dez localidades do Agreste pernambucano terão abastecimento suspenso, de forma parcial ou total, até o serviço ser regularizado.

O abastecimento será interrompido nas localidades de Surubim, Santa Maria do Cambucá, Frei Miguelinho, Vertente do Lério, Cumaru (inclusive o distrito de Ameixas), Passira e Riacho das Almas. Já Toritama será parcialmente afetada, com 50% da cidade sem abastecimento, assim como Caruaru (60% da cidade afetada) e Bezerros (30%).