sexta-feira, 29 de julho de 2011

Campanha alerta contra o preconceito aos portadores de HIV/Aids

O lançamento da campanha da ONG Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP ), nesta manhã, na Casa da Cultura, contou com a participação dos visitantes do maior centro da Cultura e Arte Pernambucana. Com o slogan: "Como você gostaria de ser tratado se tivesse HIV? Trate as pessoas do jeito que você gostaria de ser tratado”.  A campanha tem o objetivo de conscientizar as pessoas a não ter preconceitos com os portadores do HIV/Aids. Durante toda a manhã, foram distribuídos preservativos, espelhos de bolso e folders para a população. A iniciativa conta com a parceria da The International Exchange (TIE) e da Agência Experimental da AESO (Inata).
A ONG possui mais de 10 anos de fundação, e é a única no nordeste que trabalha com pessoas soropositivas ao HIV. Segundo o coordenador da GTP , Wladimir Reis, “muitas pessoas morrem devido ao preconceito que sofrem, por parte dos familiares, amigos e da sociedade em geral”. Ainda segundo ele, a ideia de olhar no espelho é para que as pessoas vejam como queriam ser tratadas se fossem portadoras do HIV. Wladimir pontuou dizendo que: “o HIV não tem preconceito, quem tem preconceito somos nós”.
Para o coordenador do programa estadual DST/AIDS, François Figueiroa, a campanha é super pertinente, pois trabalha com algo muito forte na sociedade que são estigma e preconceito. “As pessoas demoram a fazer o teste por medo de serem descriminadas, quando tem o diagnostico demoram procurar por tratamento”, relatou. Em Pernambuco, desde 1983 até hoje, são 15.800 portadores do HIV. Para François, durante este período houve uma interiorização da epidemia e a heterossexualização. “Nos últimos 4 anos, cerca de 72% dos casos são de heterossexuais”, pontuou.
Entre os voluntários da ONG, está a inglesa Sarah Walsh, ela veio ao Brasil somente para participar da ONG. Mesmo participando de um programa voluntário em seu país, com jovens pobres que residem perto da igreja onde congrega, é a primeira vez que trabalha com pessoas com HIV. “Já estou voltando para a Inglaterra, e quando chegar quero trabalhar em uma ONG do mesmo segmento da GTP ”, relatou. O estudante de publicidade, Adeilson Lopes, achou a campanha maravilhosa, pois todos merecem respeito. “O fato de ter HIV não é o fim do mundo, mas uma esperança. A partir desta campanha as pessoas portadoras do vírus irão se valorizar mais”, afirmou.
A ONG GTP localiza-se na Av. Manoel Borba, 545, 1º andar, Boa Vista, Recife, PE. Fone: 3231.0905. Maiores informações no site: www.gtp.org.br