terça-feira, 14 de junho de 2011

Influenza: crianças precisam tomar 2º dose

O Programa Estadual de Imunização (PNI), da Secretaria Estadual de Saúde (SES), lembra que as crianças entre 6 meses e menos de 2 anos precisam tomar a segunda dose da vacina contra a influenza. Essa vacina deve ser dada um mês após a primeira aplicação. “Os postos de saúde também continuam abastecidos com as doses, para os que perderam o prazo possam ser imunizados contra dois vírus da influenza comum e da H1N1”, afirma a coordenadora do PNI, Ana Catarina de Melo.

Segundo os dados preliminares, já foram vacinados 1.224.596 pessoas (88,90%), entre gestantes, idosos, crianças entre 6 meses e menos de 2 anos, índios aldeados e profissionais de saúde diretamente ligados à campanha. A meta do Ministério da Saúde (MS) era de, no mínimo, 80% do público imunizado.


Influenza

Trata-se de uma infecção viral que afeta o sistema respiratório, mais precisamente o nariz, garganta e brônquios. O contágio ocorre de forma direta, por meio das secreções das vias respiratórias da pessoa contaminada ao falar, tossir ou espirrar, ou de forma indireta, pelas mãos, que após contato com superfícies recém-contaminadas por secreções respiratórias podem levar o agente infeccioso direto à boca, aos olhos e ao nariz.

A doença pode se apresentar desde uma forma leve e de curta duração até formas clinicamente graves e complicadas. Os sintomas, muitas vezes, são semelhantes aos do resfriado, que se caracterizam pelo comprometimento das vias aéreas superiores, com congestão nasal, tosse, rouquidão, febre variável, mal-estar e cefaléia. A vacinação pode reduzir entre 32% a 45% do número de hospitalizações por pneumonias, e de 39% a 75% da mortalidade global. Entre os residentes em lares de idosos, pode reduzir o risco de pneumonia em aproximadamente 60%, e o risco global de hospitalização e morte em cerca de 50% a 68%, respectivamente.
Governo de Pernambuco