quarta-feira, 25 de maio de 2011

Promotor pede prisão preventida de Dinarte, irmão de Delma

O promotor do Ministério Público de Pernambuco (MPPE) André Rabelo pedirá ainda hoje à Justiça a prisão preventiva de Dinarte Dantas Medeiros, irmão de Delma Freire. De acordo com o promotor, durante entrevista coletiva concedida esta manhã na sede do MPPE, a medida será tomada para evitar a fuga do acusado, diante das declarações de Delma Freire publicadas em um jornal pernambucano. Ambos são acusados de participação do assassinato da alemã Jennifer Klokler, morta em fevereiro do ano passado com três tiros no tórax, às margens da BR-408.
Em entrevista publicada hoje por um jornal de grande circulação, Delma confessou ser a autora intelectual do crime e afirmou ter planejado a morte de Jennifer em companhia do irmão, Dinarte Medeiros. Ela també levantou a suspeita de que do irmão tivesse a intenção de fugir para São Paulo.
Para o promotor, esta é mais uma estratégia de Delma com o objetivo de livrar Pablo e Ferdinando Tonelli, marido e sogro da vítima, para que eles possam ter direito ao seguro de vida de Jennifer, motivação principal do assassinato da jovem alemã.
Confira o especial sobre o assassinato de Jennifer Kloker
Dinarte recorreu à Justiça por discordar do juri popular e por isso não está sendo julgado pelo assassinato da alemã Jennifer Kloker ao mesmo tempo que os outros quatro réus: Pablo e Ferdinando Tonelli, Alexsandro Neves dos Santos, autor dos disparos, contratado pelos mandantes e Delma Freire (sogra da vítima).Ele é acusado de intermediar a compra da arma e apresentar o pistoleiro à Delma e cumpre pena em liberdade por ter colaborado com as investigações.
A prisão de Dinarte foi solicitada ainda ontem pela promotoria ao juiz Gjaci Salustiano, no Fórum de São Lourenço da Mata. Na ocasião, o promotor André Rabelo disse que acusado se recusou a colaborar com o Ministério Público, descumprindo um acordo firmado anteriormente que o favorecia com a chamada delação premiada. “Não seria justo a manutenção da liberdade de acordo com o artigo 312 do código de processo penal”, disse Rabelo ontem.
Julgamento adiado - Por volta de 11h30 de ontem, quase duas horas após o início dos trabalhos, o juiz Djaci Salustiano de Lima decidiu adiar o julgamento do caso Jennifer. A nova data foi marcada para 27 de julho.
A decisão do juiz foi tomada depois que o advogado de defesa de Delma Freire, José Carlos Penha, apresentou um requerimento para a realização de uma segunda verificação mental da cliente. Isso porque, segundo ele, haveria dúvidas sobre a sanidade da ré, fato levantado por uma declaração da delegada Gleide Ângelo em entrevistas à imprensa e supostamente confirmado por um atestado da Comissão de Prima Instância da Itália, que a teria classificado como paciente de transtorno bipolar, com episódios depressivos recorrentes cuja capacidade de trabalho teria que ser reduzida 74%. O fato, inclusive, teria sido suficiente para que ela viesse recebendo pensão por invalidez no país.
Em julho deverão ser submetidos a júri popular quatro dos cinco acusados pelo crime: Pablo e Ferdinando Tonelli, Alexsandro Neves dos Santos e Delma Freire. Alexsandro, Delma, Pablo e Ferdinando são acusados de homicídio duplamente qualificado (motivo torpe e recurso que impossibilitou a defesa da vítima). Contra Delma pesa ainda a acusação de fraude processual, quando ela tentou induzir a erro as investigações policiais, oferecendo R$ 20 mil a Fabiano Siqueira Duarte para que ele assumisse a autoria do assassinato.
Também contra Delma e Pablo há o agravante de terem sido sogra e marido da vítima, o que deverá resultar no aumento da pena, em função da relação familiar. A Promotoria de Justiça arrolou como testemunhas os delegados de polícia Alfredo Jorge e Gleide Ângelo. Durante a acusação, André Rabelo e Bruno Melquíades vão exibir cenas da reconstituição do assassinato e do depoimento de Fabiano. Dinarte será levado a julgamento posteriormente, por ter recorrido da sentença de pronúncia.
De acordo com os promotores, Pablo responde na Itália pelas acusações de dois roubos, Ferdinando é acusado de homicídio culposo e Delma acusada de lesão corporal e invasão de domicílio