terça-feira, 17 de maio de 2011

Projetos Novos Talentos começa a inscrever amanhã

Tem início amanhã o período de inscrições para a primeira chamada do projeto Novos Talentos. O prazo deveria começar hoje, mas foi adiado por conta de problemas técnicos. Os interessados terão até o dia 22 para se inscreverem exclusivamente pelo site da Secretaria do Trabalho (www.stqe.pe.gov.br). Na ocasião, o candidato escolhe o curso desejado e informa dados pessoais e econômicos, além de currículo. Todas as informações devem ser comprovadas de 23 a 27 de maio, quando os documentos serão apresentados conforme convocação. As aulas de 151 turmas (2140 vagas) deve ter início no dia 30 de maio. A segunda chamada do programa deve compreender as demais 2.960 vagas e terá convocatória no mês de julho. Os cursos têm carga horária mínima de 160h, com aulas de segunda à sexta-feira
Deixar de lado a aferição de sucesso de uma iniciativa educacional-econômica por meio do número de matrículas em cursos profissionalizantes e passar a trabalhar com o índice de absorção empresarial da mão de obra qualificada após a capacitação. Este foi o desafio lançado pelo secretário do trabalho, qualificação e empreendedorismo, Antonio Carlos Maranhão de Aguiar, ontem, ao anunciar o Programa Novos Talentos, que prevê 5,1 mil novas vagas em cursos do SENAC e SENAI, em sua maioria, voltados para as áreas de interesse do Complexo de Suape.
Os cursos são os mais diversos. O Senai oferece formações, como por exemplo, para eletricista industrial, caldeireiro, mecânico de manutenção e operador de processos logísticos. Já o Senac, vagas para programador web, editor gráfico, cozinheiro, camareira e bartender. Todos eles oferecidos sem custos ao estudante, que, necessariamente, deve ter o Ensino Fundamental completo. “Vamos cobrir de Goiana a Rio Formoso e do Recife a Salgueiro, cobrindo praticamente toda a Zona da Mata, com cursos nas áreas de petróleo e gás, naval e também hotelaria, em especial no litoral e mata sul”, garante o secretário.
Para garantir a absorção dos profissionais formados no Sistema S (que compreende organizações de formação voltadas aos setores produtivos), o governo deve promover a capacitação de 200 professores até o mês de setembro. A iniciativa, prevista no termo de cooperação assinado nesta segunda-feira com a Refinaria Abreu e Lima, vai aproximar os profissionais da realidade de trabalho demandada pelas empresas do Complexo de Suape para que os conteúdos oferecidos em sala de aula sejam compatíveis com os exigidos durante o processo admissional. “O sistema deve ter como porta de saída, a porta de entrada das empresas. Dos 580 mil postos de trabalho gerados, 480 mil exigia ensino médio ou mais. ‘Aligeirar’ a formação é investir também para que haja mais feijão na mesa das famílias pernambucanas”, conclui.
De acordo com o presidente da Refinaria Abreu e Lima, Marcelino Guedes, ter uma empresa como essa no estado não é tarefa fácil e exige adaptação, especialmente profissional, para que o desenvolvimento econômico seja possível. “Investir na educação é apostar em tecnologia, em formação profissional e na economia do futuro, para formar uma sociedade forte, com economia desenvolvida”, afirma.
Para o governador Eduardo Campos, parcerias como esta servirá para encurtar distâncias e promover a inclusão dos pernambucanos no ciclo de desenvolvimento vivido pela economia pernambucana. Isso porque, com o crescimento da necessidade de mão de obra especializada, ‘importar’ profissionais passa a ser uma realidade comum quando não há disponibilidade na região. “Pernambuco está se reindustrializando pela força de sua gente. Nos próximos 10 anos, mais que duplicaremos nossa economia e isso exige uma nova matriz de pensamento para mudar a realidade do ontem e continuarmos numa crescente”, diz.
Entre as ações de maior destaque, apontadas pelo governador no que diz respeito à especialização profissional, estão a disponibilização de 1,2 mil bolsas para mestrandos e doutorandos e um convênio inédito, assinado na semana passada, entre o Governo e a Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia de Pernambuco (Facepe), visando o desenvolvimento profissional de profissionais já empregados. “A empresa que deseje formar um técnico, agora pode procurar a Facepe e estabelecer uma cooperação 1 para 1. Ou seja, para cada R$ 1 investidos por ela em seu trabalhador, colocaremos mais R$ 1”, promete.