sexta-feira, 20 de maio de 2011

Codecir registra 15 chamados no plantão da madrugada

Nos meses de junho, julho e agosto deve chover acima da média para o período, ultrapassando os 800 mm. Imagem: Marcelo Soares/Esp. para DP/D.A Press

A Coordenadoria de Defesa Civil do Recife (Codecir) registrou 15 chamados para a central 24 horas durante o plantão da madrugada. Das 19h da quinta-feira até as 7h desta sexta-feira foram três solicitações de lonas plásticas e 12 pedidos de vistorias técnicas.
A previsão é de que as chuvas podem continuar fortes no Litoral, Agreste e Zona da Mata do estado até o início da tarde de amanhã. A Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac) faz o alerta, também, para o comportamento climático nos próximos três meses. Segundo o gerente de meteorologia e mudanças climáticas da Apac, Patrice Oliveira, o inverno deste ano será rigoroso. Nos meses de junho, julho e agosto deve chover acima da média para o período, ultrapassando os 800 mm. “Não descartamos a possibilidade de eventos extremos. Por isso, vamos reforçar o estado de alerta em parceria com a Codecipe”, declarou.

De acordo com a Apac, as previsões indicam que a tendência é de chuvas que vão variar de moderadas a fortes no Litoral, Mata e Agreste de Pernambuco até o fim de agosto. As temperaturas também devem cair em todo o estado, podendo ficar até dois graus abaixo da média. Patrice Oliveira explica que a probabilidade de ocorrerem chuvas muito fortes é de 45%. “O foco agora está no setor Leste do Nordeste, porque no Semiárido e no Sertão as chuvas já estão ficando esparsas. Nessa área, já sabemos que teremos um inverno rigoroso”, afirmou. Apesar do alerta, o especialista disse não ser possível prever se haverá uma chuva semelhante à ocorrida em junho do ano passado, que deixou milhares de desabrigados na Mata Sul do estado. “Não podemos dizer que vai chover mais que em 2010, mas que teremos um inverno acima da média. Também não prevemos chuvas torrenciais, como a de junho, mas estamos monitorando diariamente o tempo para dar o alerta se necessário.”

As conclusões foram tiradas da VI Reunião de Análise Climática realizada em Sergipe nos últimos dias 16 e 17. Na ocasião, foram analisadas as condições regionais do nível dos rios e o comportamento dos oceanos e da atmosfera e as influências disso no clima do Nordeste. Segundo o gerente da Apac, as chuvas acima da média nos próximos três meses podem ser justificadas pelo fato de o Oceano Atlântico estar mais aquecido na costa nordestina, o que favorece a evaporação e a consequente formação de nuvens sobre o mar. Essas nuvens chegariam ao continente transportadas pelos ventos vindos do Sudeste, que também sopram mais forte nesta época do ano. O resultado dessa combinação de fatores é a intensificação das chuvas no Litoral, Agreste e Zona da Mata de Pernambuco, além de outras áreas do Nordeste.